Rede Ilha: processo kafriano (Cláudio Nunes)

01-06-2011 07:00

Rádios e o ministério da Comunicação
A lista publicada ontem, 31, pelo blog, e divulgada no dia anterior pelo Ministério da Comunicação deixou espantada muita gente. É que nela tinham nomes de sócios de rádios falecidos há algum tempo, como Valter Cardoso Costa, em Estância, Jorge Luiz, em Canindé e outros.

O motivo
A pergunta que fica no ar, literalmente destas emissoras: O ministério das Comunicações não é informado da mudança dos sócios por qual motivo? O que tem por trás? E aí. Com certeza o ministério a partir de agora tomará as providências devidas.

Rede Ilha: processo kafriano
E a rede Ilha: formada pelas emissoras da Barra, de Estância, de Propriá e de Tobias Barreto? O nome do empresário Edvan Amorim não consta em nenhuma delas. Então Sergipe viver um processo kafkiano onde o que se discute como destaque não existe. O que deve dizer aquele parlamentar ao descobrir que ele tem dado continência a quem não tem patente? E mais: três delas tem nome de parentes de João Alves, ou seja, então a briga entre Amorim e o ex-governador não passa de mais um processo kafriano?

Por Cláudio Nunes (Infonet)

Voltar