Insatisfeitos com projeto do Estado, professores podem seguir em greve

03-06-2011 14:33

Projeto do Governo de dividir em oito vezes o reajuste salarial não agrada a categoria

Os professores da rede estadual de Sergipe podem seguir com a greve da categoria que já duram nove dias úteis. A categoria não está satisfeita com o projeto de Lei preparado pelo Governo, que dispõe sobre o reajuste salarial dos professores. Segundo os sindicalistas, das negociações feitas com o Sintese (Sindicato dos , a única alteração do proposta inicial do Estado é que ao invés de dividir o percentual do reajuste em 12 parcelas, ficaria em oito vezes.

"Não concordamos com isso. Fica difícil para o professor aceitar uma proposta dessas de parcelamento do reajuste", disse o sindicalista Joel Almeida, durante o manifesto dos professores ontem, em frente à Assembleia Legislativa. De acordo com ele, o projeto está com uma revisão diferenciada neste mês de junho. Para nível médio 15,86% e para ensino superior 5,7%. E em setembro equipara o nível superior aos 15,86%.

"Como esse período tem o retroativo, porque a nossa lei dá o direito ao retroativo de janeiro, o governo diz que só paga em oito parcelas no ano que vem. É ruim para nós e a categoria está apostos, e veio para a Assembleia para acompanhar. A Lei nos dá o direito de ser pago o mesmo valor no mesmo momento. Desde janeiro já éramos para estarmos recebendo", reclamou Joel.

A direção do Sintese foi informada pelo líder do governo na Assembleia Legislativa, deputado Francisco Gualberto (PT), que o projeto ainda não havia sido encaminhado à Casa para votação, mas está previsto para ser apreciado pelos parlamentares entre segunda e quarta-feira.

Nesta sexta-feira, a partir da 15h, no Instituto Histórico e Geográfico, os professores estarão em assembleia para definir se continuam, ou não, em greve.

Por Raíssa Cruz (Universo Político)

Voltar