Birô Cultural chega ao Baixo São Francisco

17-05-2011 13:23

O objetivo é levar capacitação para todos os agentes culturais do Estado e assim fomentar a cultura sergipana

Após passar pela cidade de Laranjeiras, o Birô Cultural - projeto desenvolvido pela Secretaria de Estado da Cultura (Secult), através do Fundo de Desenvolvimento Cultural e Artístico (Funcart) – chegou nesta segunda-feira, 16, ao Baixo São Francisco, mais precisamente à cidade de Propriá, a 102 km de Aracaju. Contemplado as 14 cidades que fazem parte da região, o Birô Cultural tem como objetivo levar capacitação para todos os agentes culturais do Estado no que se relaciona à elaboração e viabilização de projetos para editais, fomentando a cultura sergipana.

Em sua sétima etapa, o Birô Cultural já é sinônimo de sucesso pelos locais onde passa, levando não apenas conhecimento, mas também interação entre os participantes, fortalecendo a teia de comunicação entre os agentes. Presente no primeiro dia de oficinas, o secretário adjunto de Estado da Cultura, Marcelo Rangel, fez questão de ressaltar o eixo principal de trabalho da Secult que é a capacitação.

“É de suma importância destacar que dentro da nossa política de cultura, nosso eixo de trabalho principal é a capacitação dos agentes culturais. Por isso desenvolvemos uma série de atividades neste aspecto. Estas oficinas são necessárias para garantir a diversidade cultural sergipana, pois através do correto desenvolvimento de um projeto e sua conseqüente aprovação, nós estamos fortalecendo a nossa cultura”, explicitou o secretário adjunto, Marcelo Rangel. 

Além disso, o gestor frisou que outro objetivo que norteia o Birô Cultural é a formação de uma rede de intercâmbio cultural. “É necessário que quem esteja presente nessas oficinas, multiplique esse conhecimento com as pessoas de sua região. Só assim, fortaleceremos nossa rede, difundindo todo o conhecimento adquirido”, ressaltou o secretário adjunto.

Capacitação

Coordenada pelo sociólogo Ivan Masafret, a oficina da sétima etapa do Birô Cultural contou em sua primeira parte com uma apresentação dos inscritos no projeto, mostrando a diversidade e a satisfação em poder estar presente no curso. Sobre a primeira impressão que teve com a turma, Ivan destacou que são pessoas participativas e atuantes, sendo positivo para a seqüência das aulas. “Os que estão presentes aqui hoje são pessoas bem atuantes e críticas, o que é muito importante. Elas pensam não apenas no que estão produzindo, mas pensam, também, no potencial cultural do município onde vivem”, frisou o sociólogo.

Segundo ele, a metodologia desenvolvida terá como foco a participação de vários professores e não apenas ele como fornecedor de conhecimento. “Percebi que nesta turma há pessoas que tem um conhecimento e atuação maior do que outras. Por isso é importante que quem saiba mais e atue mais na área, ajude quem saiba menos”, informou Ivan.

Agentes de cultura

De Canhoba, município próximo a Propriá, o estudante de 17 anos, Diogo Santos estava ansioso para o começo do curso, já que ele pretende participar de um edital para festa junina de sua cidade. “Sou da residência paroquial de Canhoba e lá fiquei sabendo do Birô. Pretendo levar cultura para minha cidade através da elaboração de projetos para editais. Cultura é tudo para mim, por isso associo esta forma de aprendizagem como um investimento para minha vida”, disse o estudante.

Para a funcionária da Secretaria Municipal de Cultura de Propriá, Eliane Barbosa, o Birô trata-se de um projeto de grande valia e extrema importância para a população em geral. “Nunca fiz um projeto, mas preciso me interar sobre isso para desenvolver melhor minha função junto à secretaria e junto às necessidades das pessoas do meu município”. Segundo ela, o Birô é importante, pois a sociedade passa por uma fase de esquecimento de suas raízes, dando pouca importância às questões culturais. “A aula está sendo interessante e abrindo nossos olhos para entendermos como este processo de elaboração de projetos é necessário”, frisou.

Para participar

Ainda há tempo! Após Propriá, o Birô terá ainda mais três etapas: Estância, Aracaju e São Cristóvão, por isso os interessados em participar do projeto devem preencher uma ficha de inscrição - disponível no site da Secult - e aguardar o resultado da seleção, que avalia a atuação do inscrito na área cultural e como pretende aplicar os conhecimentos adquiridos na oficina. Para mais informações sobre o Birô Cultural, entre em contato com a coordenação do projeto através do email contato@cultura.se.gov.br ou através dos telefones (79) 3179-1924 e 8816-6901.

Fonte: Agência/SE - Em: 17/05/2011

Voltar